VAMOS FALAR DE ANSIEDADE?

 

A ansiedade nada mais é que do que uma condição psicofisiológica que vem se tornando cada vez mais frequente, no momento em que vivemos. A cada dia que passa, as rotinas ficam mais apertadas, as 24 horas do dia parecem não ser suficientes e, com isso, acaba tornando-se comum a ocorrência de alguns sintomas de ansiedade, seja antes daquela reunião importante ou da prova final da faculdade.

 

Cabe destacar, no entanto, a importância de que fiquemos atentos à intensidade e frequência dos sintomas, avaliando a possibilidade de um comprometimento funcional das atividades diárias, que pode ser um sinal alarmante de um DISTÚRBIO DE ANSIEDADE. 

 

Como identificar?

 

Recomenda-se que você procure um profissional que possa efetuar esse diagnóstico para você, afinal, apesar de haverem aspectos comuns aos distúrbios de ansiedade, cada caso é único e singular e requer a avaliação de um especialista. No entanto, alguns sinais e sintomas podem ser observados como indicativos de que você pode estar precisando de ajuda. São eles:

 

 

 

 

MEDO: O famoso “frio na barriga” antes de algumas situações é muito comum e natural. O problema surge quando essa sensação está ligada a eventos sem nenhum perigo eminente ou a duração deste sentimento ultrapassa um limite aceitável, impossibilitando a realização de tarefas. Nesses casos, torna-se necessário cautela e atenção, pois pode-se estar  diante de um distúrbio de ansiedade.

 

PREOCUPAÇÃO: Preocupar-se um pouco um dia antes de alguma apresentação importante ou da reunião geral da empresa é normal. Mas ficar preocupado, durante um longo período de tempo, sobre assuntos específicos e que talvez não necessitem tamanha atenção pode não ser saudável, e merece uma avaliação adequada.

 

AGITAÇÃO: Andar de um lado para o outro e fazer movimentos repetitivos sem finalidade específica são os sintomas de agitação mais comuns.

Observando - se esses traços, é importante uma avaliação da persistência, duração e proporção ocupada pelos mesmos no seu dia a dia.

 

ALERTA: Sempre precisamos estar em alerta, quando andamos na rua, dirigimos ou apenas trabalhamos. Podem ser sintomas de ansiedade estar hiperalerta, em estado de vigilância excessiva, ou assustar-se por qualquer motivo. 

 

SINTOMAS EXTERNOS: Os sintomas externos estão relacionados com a manifestação especificamente fisiológica da ansiedade, tendo-se excluída qualquer outra possível causa orgânica. Entre eles, pode-se citar falta de ar, dores, tremores, mãos e pés frios, taquicardia, sudorese, respiração curta, entre outros. A presença de um ou de uma combinação desses sinais pode ser representativa de um distúrbio de ansiedade.

 

Acima, foram apontados brevemente alguns sinais e sintomas de ansiedade. Se você apresenta um ou mais desses sintomas e percebe que eles podem estar comprometendo sua rotina e tarefas diárias, é importante que procure um profissional capacitado para avaliar se você pode estar sofrendo de um distúrbio de ansiedade. Esse quadro gera intenso sofrimento para o indivíduo e seus familiares, sendo muitas vezes difícil de contorná-lo sem uma orientação adequada, de alguém com conhecimento técnico apropriado.