INSÔNIA: CAUSAS E TRATAMENTO

 

            A insônia não caracteriza-se apenas pela demora a adormecer. Ela também é responsável pelo sono interrompido, ou até por uma noite conturbada, que nos leva a acordarmos cansados ou muito cedo. Assim, podemos afirmar que a insônia não se define apenas pela quantidade de horas dormidas, mas também pela qualidade do sono.

 

            A quantidade de sono varia de indivíduo para indivíduo. Se uma pessoa não dorme as horas necessárias e com a qualidade que o seu corpo necessita, no dia seguinte ela sofrerá de cansaço, falta de energia, irritabilidade, entre outros sintomas que deixarão sua rotina diária desgastante. 

 

 

            É possível classificar a insônia em três tipos: aguda, intermitente e crônica.

 

            Na insônia aguda, as crises são mais curtas, não acontecem todos os dias da semana e pode ser aliviadas apenas com mudanças na rotina.

 

            A insônia intermitente é quando os casos acontecem com um período longo entre eles, podendo haver períodos de sono relaxante neste meio tempo.

 

            A insônia crônica é constante e ocorre mais de três vezes em uma semana.

 

            As causas do distúrbio do sono podem ser orgânicas ou psíquicas. Devemos ficar atentos a alguns hábitos que podem causar insônia. Saiba quais são esses e tente evitá-los para ter uma boa noite de sono.

 

            ALIMENTAÇÃO: Evite consumir alimentos estimulantes, como cafeína, guaraná, chocolate, pelo menos seis horas antes de dormir.

 

            CORPO: Busque relaxar antes de deitar. Evite fazer exercícios físicos no período da noite, pois o corpo após agitado demora para relaxar novamente.

 

            AMBIENTE: Evite a claridade e o barulho de televisão ou rádio em seu quarto. É necessário que o local de dormir seja o mais tranquilo da casa.

 

            ROTINA: Não vá dormir a cada dia em horários diferentes. É importante, para ter um bom sono, que o relógio biológico esteja regulado.

 

            O diagnóstico da insônia deve ser feito por um profissional qualificado e a automedicação é totalmente contraindicada.

 

            Um tratamento altamente eficaz para o distúrbio do sono é o neurofeedback. Com o neurofeedback, é possível controlar e melhorar as funções cerebrais. O neurofeedback ainda tem a vantagem de ser uma técnica não farmacológica e não invasiva, portanto mais saudável. Sabendo-se que o cérebro está relacionado tanto com nossas respostas emocionais quanto orgânicas, o neurofeedback é um dos mais sofisticados tratamentos para ajustar o seu funcionamento global em prol de uma vida melhor.